27 de jun de 2010

Suivi


Sempre que a Camila está viajando fico aqui pensando na vida e divagando....
Desta vez, em época de Copa do Mundo, fiquei comparando as coisas que vivemos aqui com as que vivíamos no Brasil. Nós sempre temos a esperança de que com a imigração tudo será diferente, que faremos na nossa vida aqui o que não gostávamos no Brasil.

Mas isto tudo é muito difícil e assumo que estou um pouco desanimado. Quando a gente tem as coisas mais estabilizadas como tínhamos no Brasil, ter que recomeçar é duro. Digo isso por que hoje trabalho num consultório como trabalhei logo após me formar como dentista. Ganho por porcentagem e tenho que me submeter às ordens e regras da clínica, quando que no Brasil quem decidia como as coisas tem que ser feitas éramos nós mesmos. Fico desanimado porque não consigo me comunicar com os pacientes com a desenvoltura que tinha no Brasil e isto me deixa inseguro. E creio que esta insegurança, aliada às condições da clínica que não estão a meu gosto, possa ser motivo de alguns pacientes não acreditarem na minha capacidade e não quererem fazer o tratamento proposto. Isso tudo é frustrante....

Tem também a Camila que, por ser muito ligada à família dela, fica triste por estar longe e isto me corrói por dentro. Sem falar que, sendo muito dinâmica e ativa, estar somente estudando também a deixa desanimada. Toda vez que ela vai ao Brasil, vejo nela a felicidade saindo pelos poros ao falar no Skype com ela, pois está com a família e também trabalhando na sociedade que temos ainda por lá. Fico feliz e triste ao mesmo tempo. Feliz porque a vejo alegre, mas triste porque a felicidade dela está lá ainda e ao chegar aqui novamente, na vida normal e cotidiana, sei que esta alegria toda não vai durar tanto tempo.

Temos quase 2 anos de Canadá. Tudo correu como planejado, as crianças estão ótimas, mas ainda não estamos satisfeitos... O que será que esta faltando ainda?